História da Odontologia Hospitalar no Brasil – depoimentos

Escrito originalmente como comentário pelo Dr. Gilceu Pace e transcrito para este novo post especifico sobre a história da Odontologia Hospitalar no Brasil.
_______________

Já que o tema passou a ser focado no histórico da Odontologia Hospitalar e para que não se cometam injustiças com desbravadores e pais da criança sugiro que as Comissões de Odontologia Hospitalar dos CROs de cada estado da federação se debrucem na pesquisa dos fatos históricos regionais da atuação dos seus CDs em ambiente hospitalar, para que no final seja compilado o texto real dos fatos e que o mesmo seja aprovado na futura Reunião Geral das Comissões como representante do histórico oficial da OH.
Da minha parte, gostaria de colocar que há 43 anos os professores Dr.Gilberto Marcucci e Dr.Geraldo dos Santos, oriundos da Estomatologia (antes Semiologia) da FOUSP e outros colegas entre os quais me incluo, iniciaram no Hospital Heliópolis SUS (antes INAMPS/MS), o atendimento de pacientes especiais (antes excepcionais internados no 7º andar), sob anestesia geral em Centro Cirúrgico.
Ambulatorialmente, no 2º andar, realizávamos o diagnóstico e tratamento dos pacientes encaminhados pela rede pública de saúde e demais pacientes internados nas Clinicas Médicas do HH (Dermato, Gastro, Procto, Pneumo, Cardio, Onco, UTI, Moléstias Infecciosas, Cabeça e Pescoço e Hematologia).
Paralelamente era dado o Curso de Aprimoramento Profissional em Estomatologia com 4 (quatro) bolsas da FUNDAP no CEPE Centro de Estudos e Pesquisas em Estomatologia “Prof.Dr.Gilberto Marcucci”) com carga horária de mais de 1450 horas que após reconhecimento da especialidade de Estomatologia pelo CFO se enquadrou nas normas oficiais com a participação de 12 (doze) alunos/ano .

Fica assim feito este registro, mas recomendaria entrevistar os fundadores que até o momento permanecem vivos.

O que é uma especialização em Medicina Intensiva?

Como membro da SOTIERJ recebi um email sobre curso de especialização em Medicina Intensiva (ver http://idor.org/lato-sensu/curso-de-especializacao-em-medicina-intensiva), reconhecido pela AMIB, na rede D’Or do Rio de Janeiro. Interessante ver a carga horária, tempo de duração do curso e inclusão da remuneração.
Nota-se o valor que a Medicina dá a formação em cuidados intensivos.
Mas a mesma AMIB está organizando um curso de Habilitação Oficial em Odontologia Intensiva cujos “instrutores líderes” foram qualificados em um curso de um final de semana (SIC).
Tenho sérias dúvidas se neste curso haverá tempo necessário para que um cirurgião-dentista seja habilitado para atuar em alta complexidade, quiçá em UTI (a não ser que se tenha a higiene bucal como meta única, e que não é da competência exclusiva do CD).
Isso apesar de não estar previsto em estatuto o reconhecimento de CDs pela AMIB, assim como a mesma não prevê o reconhecimento de enfermeiros e fisioterapeutas, que criaram uma entidade específica para este fim em integração da AMIB, AMB e CFM com os conselhos federais das profissões, no caso o COFEN e o COFFITO.
Que o bom senso utilizado para a organização institucional e acadêmica da Medicina Intensiva, Enfermagem Intensiva e Fisioterapia Intensiva seja aplicado para a Odontologia, pois a visão de mercado (ou sua reserva) não deve ficar acima da qualidade e responsabilidade.
Vale a pena citar que as Comissões de Odontologia Hospitalar dos CROs e a SOBEP já se manifestaram contrárias a esta modalidade “oficial” de habilitação de CDs por entidades médicas (SOBRATI e ABS também utilizam-se de expedientes semelhantes).

A fantástica história do Transplante de Face

Programa de Educação Continuada

Associação Brasileira de Cirurgia Cranio-maxilo-facial (ABCCMF)

Curso de Atualização em Reconstrução Cranio-Facial

Última Semana

3a feira próxima dia 19 de novembro de 2013

Hora: 19:30 – 22:00 horas

Local: Centro de Estudos do Hospital Samaritano

End: Rua Assunção 286 – Botafogo

Tema

A FANTÁSTICA HISTÓRIA DO TRANSPLANTE DE FACE

Relatores:

Ricardo Cruz (Cirurgia Cranio-maxilo-facial INTO)

Fábio Busnardo (Cirurgia Plástica e Microcirurgia HC-USP)

Moderador: Dr Pietro Novellino (Presidente da Academia Nacional de Medicina)

No próximo dia 27 de novembro comemora-se oito anos do primeiro transplante de face que aconteceu no mundo.

A paciente era Isabelle Dinoire.

Até hoje são quase 30 os pacientes transplantados em países como França, China, Estados Unidos, Turquia e Polonia.

A história desta cirurgia revolucionária no campo da Cirurgia Reconstrutora da Face será contada no encerramento das nossas atividades científicas nesse ano de 2013.

Notáveis da Odontologia Fluminense em 2013

No dia 07 passado, na cerimônia de entrega do prêmio Notáveis da Odontologia – 2013 organizada pelo CRO-RJ, foram agraciados, entre outros, o Prof. Ricardo Fisher, da UERJ e PUC-RJ (com formação em Medicina e Odontologia) e o Serviço de Atendimento a Pacientes com Necessidades Especiais da ABORJ, coordenado pela Profa. Bruna Picciani.

Prof. Ricardo Fisher
Profa. Bruna Picciani – OPNE / ABORJ
.
Ambos são eventualmente citados neste Portal como expoentes da Medicina Oral já que a Periodontia Médica, área de conhecimento mais estudada pelo Prof. Fisher, e a OPNE representam duas das mais importantes disciplinas odontológicas aplicadas ao paciente com comprometimento sistêmico ou em condições especiais, intra ou extra-hospitalares.
Também foram homenageados no evento os colegas que completaram 70 anos de idade e tornaram-se remidos do CRO-RJ. Dentre os agraciados estavam o Dr. Paulo Murilo da Fontoura, presidente da ABORJ e meu primeiro chefe de serviço, o Coronel Dentista da Aeronáutica Luzonilson da Fonseca.
Entre tantas presenças ilustres estavam os doutores Paulo André Almeida Jr (Saúde Bucal do município do RJ), Nataldo Alexandre e Aércio Carvalho (ABORJ), Eliane Pedra Dias (Patologia – UFF) e Marília Cantisano (Estomatologia – UERJ).
Dentre os vários comentários ouvidos no evento destaco a bela homenagem do Prof. Ricardo Fisher ao seu pai, também cirurgião-dentista, já falecido e a grande notícia de que a Faculdade de Odontologia da UERJ em breve contará com um serviço de OPNE completo. A conferir.

Previna o câncer de boca. Consulte um estomatologista.

Campanha do CRO-MS é de grande valor mas divulgação comete falhas ao não mencionar a Estomatologia (especialidade mais ligada ao diagnostico do câncer bucal) , citar o autoexame (não recomendado pelo INCA) e não lembrar a dor como sintoma de alerta.

Veja abaixo:

______________________

Semana de prevenção ao câncer bucal conta com mais de 450 profissionais

Profissionais de saúde bucal da rede municipal participam da Semana de Prevenção ao Câncer Bucal com o tema “Previna o câncer de boca. Consulte um dentista”, profissionais de saúde bucal da rede municipal participaram da Semana de Prevenção ao Câncer Bucal, organizada pelo CRO-MS (Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso do Sul). (…).

Mais de 450 odontólogos e profissionais da área, sendo cerca de 380 da rede municipal de saúde participaram da abertura do evento que contou com a presença do coordenador do Serviço de Odontologia da Sesau, David Chadid. Durante o evento, os profissionais assistiram a uma palestra sobre prevenção de câncer de boca, para melhorar o atendimento à população na unidades de saúde da Capital. (…)

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2012 foram detectados 14.170 novos casos de câncer de boca em todo o país, sendo 9.990 em homens e 4.180 em mulheres. (…)

De acordo com Giovanini, o diagnóstico precoce aumenta em até 80% a chance de cura. “Os pacientes que detectarem alguma alteração na boca, feridas, sangramentos devem procurar uma unidade de saúde mais próxima para iniciar o tratamento, caso necessário”, finalizou.

Ter uma boa higiene bucal, escovando os dentes quatro vezes ao dia, de preferência após todas as refeições, ter um acompanhamento odontológico freqüente, ter uma dieta saudável, rica em frutas e legumes, evitar o consumo excessivo de álcool, o uso excessivo de cigarros são as principais dicas para diminuir a chance de ter um câncer de boca, segundo Chadid. Além disso, realizar um autoexame da boca, percebendo qualquer tipo de alteração como feridas, inchaços ou manchas é só procurar uma unidade de saúde.

Fonte: http://www.capitalnews.com.br/ver_not.php?id=255293&ed=Sa%C3%BAde&cat=Not%C3%ADcias